Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FILOSOFIA

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela.

FILOSOFIA

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela.

Rousseau denuncia as causas das desigualdades

13.11.19, António Pinela
O século das Luzes assistiu à sucessão de extraordinários fenómenos. Viu a ciência alcançar progressos bem definidos, maravilhou-se com o brilhantismo das Artes e com o esplendor das Letras, enquanto nos salões parisienses via agitarem-se ideias que inspiraram a Revolução Francesa de 1789 e apreciava a era industrial a desabrochar nas minas de hulha da anti­ga Albion[1]. Um mundo acabava: o ancienrégime; outro começava: o (...)

Organização e Desenvolvimento Curricular

13.11.19, António Pinela
Organização e Desenvolvimento Curricular (Blogue) LANÇAMENTO DO LIVRO ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR  O homem é um ser a caminho,  o currículo é o seu percurso.  «(…) a Organização e Desenvolvimento Curricular é a ciência de tomar decisões sobre a criação de oportunidades de experiências de aprendizagem, bem como a sua respectiva avaliação. Desenvolver o processo de ensino/aprendizagem com os alunos é tomar decisões relativas ao currículo. E o currículo (...)

Felicidade e Natureza Humana Segundo David Hume

04.10.19, António Pinela
A “felicidade” é um daqueles temas que está pouco tratado entre nós e, contudo, a todos implica. Quem não sente o desejo de viver uma vida tranquila, liberta de preocupações excessivas, plena de satisfação, alegre? O mais taciturno dos homens conduzirá, por certo, a sua vida no sentido da felicidade; a mais maquiavélica das mentes exercitará a sua acção espúria para atingir os objectos da sua paixão; o espírito benfazejo não terá outra coisa em mente senão a (...)

Essência da Religião 02

18.09.19, António Pinela
A religião emerge de contextos culturais específicos. Antes de se considerar o homem como um ser religioso, ele é um ser natural que, lenta e progressivamente, vai sendo aculturado. Assim, empregando uma terminologia clássica, o homem pode ser definido como animal racional (porque dotado de razão), como animal político (porque é um ser gregário que vive em sociedade), mas também pode definir-se como animal religioso (porque os valores religiosos lhe são essenciais). Não se (...)

Glossário de Ciências e Educação

09.09.19, António Pinela
Este glossário é o resultado de pesquisa efectuada, no âmbito da orientação pedagógica /estágio, em várias obras de índole pedagógica e didáctica, de psicologia e sociologia, e ainda de Legislação sobre a Reforma Educativa, publicada desde os anos 80, do século passado. Este texto pretende ser, apenas, uma ajuda rápida da terminologia aplicada ao ensino. Exemplos de algumas entradas: A ACÇÃO Efectivação da capacidade de agir. No domínio pedagógico e educativo, a (...)

A razão universal em Álvaro Ribeiro

01.09.19, António Pinela
O estudo da obra, A Arte de Filosofar, de Álvaro Ribeiro, sugeriu-nos que centrássemos a nossa atenção em alguns temas específicos que nos despertaram interesse, desde logo a eventual hipótese de a língua portuguesa ser ou não apta para expressar o inquérito filosófico. Interro­gámo-nos, então, por que razão a nossa língua não seria própria para transmitir os pensamentos mais profundos? O problema, assim o entendimento, não está directamente rela­cionado com a (...)

004 A crítica

28.08.19, António Pinela
  Hoje o tema é “A CRÍTICA”. Não é verdade que toda a gente se acha crítico de qualquer coisa? No sentido corrente (ao nível do senso comum), a crítica é um juízo desfavorável (a crítica é o contrário de elogio). No entanto a crítica não é isso. É, antes, um estudo ― uma apreciação ― destinado a avaliar uma obra, um procedimento, uma atitude, de modo favorável ou desfavorável, procurando situar o seu contexto, as significações expressas ou subentendidas, os (...)

A felicidade segundo Santo Agostinho

27.08.19, António Pinela
Analisar o pensamento do Santos Agostinho, mesmo que a análise se limite ao diálogo De beata uita, é uma tarefa muito interessante, mas, ao mesmo tempo, nada fácil. A leitura do Diálogo sugere-nos, com frequência, outras leituras do próprio autor, como por exemplo De Ordine, Contra Académicos e Confissões. No entanto, tive que fazer opções quanto à metodologia a seguir: ler ou reler outros textos de Agostinho que me ajudariam a compreender os conteúdos do Diálogo, mas que, (...)

Vergílio Ferreira e o existencialismo

22.08.19, António Pinela
(...) O texto, ora, apresentado é o resultado de apontamentos que preparei para a realização de um colóquio, sobre as «Marcas do existencialismo na obra Aparição de Vergílio Ferreira, para professores de Português e de Filosofia, na Escola Secundária Augusto Cabrita, em Barreiro, a 3 de Abril de 2000. A ideia surgiu em conversa com colegas da disciplina de Português que, diziam, sentiam algumas lacunas nos domínios de algumas correntes de pensamento, que a leccionação da (...)

Dissertação de Mestrado em Filosofia

21.08.19, António Pinela
A FUNDAMENTAÇÃO METAFÍSICA DA ESPERANÇA EM GABRIEL MARCEL Dissertação de Mestrado em Filosofia, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1996. Resumo da tese publicado na Revista FHILOSOPHICA, N.º 10 (1997), Edições Colibri, Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, pp. 162-168. Quando iniciámos o estudo da filosofia de Gabriel Marcel, ficámos com a impressão de que ele não era muito lido entre nós, impressão que, (...)

Realidade e conhecimento

18.08.19, António Pinela
REALIDADE. Em termos absolutos, “realidade” significa tudo o que existe. Ou, dito de outro modo, tudo o que é ou está: a existência efectiva de alguma coisa, que é verdadeira, que tanto pode designar um ser em particular, como o conjunto dos seres globalmente considerados. Mas há vários estados de realidade: há a realidade exterior (ao sujeito do conhecimento) ― tudo que é ou está para além de nós; mas também a realidade interior (ao sujeito) ― tudo que ocorre em nós, (...)

Como organizar um trabalho escolar

16.08.19, António Pinela
A realização das diversas tarefas escolares, pelos alunos, deverá obedecer a um roteiro ou, mais especificamente, a uma planificação, por forma a facilitar o estudo e obter o sucesso. O aluno não deverá descurar este aspecto da sua aprendizagem, a fim de alcançar bons resultados e, com isso, ganhar tempo para outras actividades de seu interesse. Os bons resultados conseguem-se com uma boa organização do trabalho de estudo. Aplicar métodos ao trabalho é o caminho. Antes de (...)

Horizontes da Filosofia

14.08.19, António Pinela
Desde a sua origem, muito se tem dito sobre a filosofia. Para uns é muito importante, pois, diz-se, ela nos faz pensar e ajuda-nos a procurar o caminho da verdade; para outros, não é tanto assim, não passando de pura elucubração que anima o espírito dos filósofos. Pois que seja como cada um julgar. Filosofia é liberdade. Desde que me encontrei com a Filosofia, intui que esta disciplina é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e (...)

Para que serve a Filosofia

21.07.19, António Pinela
  Num texto de iniciação, como este, procurarei, no decurso da reflexão, esclarecer a principal interrogação do mesmo: “Para que serve a Filosofia?”; enquanto o leitor ir-se-á apercebendo, naturalmente, que outras questões (menores e/ou mais elaboradas) brotarão no seu espírito; verificando que é da vivência da Filosofia que brotarão muitas perguntas que, por certo, quererá ver esclarecidas. Com efeito, é do esclarecimento das nossas dúvidas que vamos construindo o saber (...)

Das coisas simples se faz Filosofia

16.07.19, António Pinela
Ainda a propósito das “dificuldades” da Filosofia, leiamos, já a seguir, a belíssima quadra do grande poeta (dito popular) algarvio, António Aleixo: “Eu não tenho as vistas largas, Nem grande sabedoria, Mas dão-me as horas amargas Lições de filosofia”. Vejamos, ainda, como se expressa a sensibilidade estética e filosófica do poeta, num trecho intitulado do Auto do Ti Jaquim: «Ti Jaquim: Os homens não se conhecem uns aos outros ― e então, vivem na grande ilusão. Qu (...)

Em que estás a pensar?

08.08.18, António Pinela
  «Em que estás a pensar?» Pergunta-nos o Facebook, quando acedemos à nossa página. Em Sócrates, o filósofo. Disse para comigo. E porquê Sócrates? Interrogar-me-á o leitor. Lembrei-me da sua sabedoria que parte da nesciência: “SÓ SEI QUE NADA SEI”. Mas logo acrescentava o filósofo: “NO ENTANTO SUPERO A GENERALIDADE DOS HOMENS QUE NEM ISSO SABEM”. Moral da história: é uma pena que nem todos sejamos capazes de reconhecer a nossa própria ignorância. Quando isto (...)

No melhor pano cai a nódoa

29.07.18, António Pinela
O BE tem feito uma campanha fortíssima contra a especulação imobiliária por todo o país e, particularmente, em Lisboa. Nalguns aspectos o Bloco até tem acertado nas denúncias feitas, noutros tem exagerado. E quando é que exagera? Quando se arvora em consciência nacional. O discurso moralista de Catarina Martins, que mais parece uma “velha beata” a chamar a atenção dos netos, é inapropriado. E ela devia ter consciência disso; mas não, a sua sanha de maldizer (que é em (...)

Autoconfiança e auto-estima

05.01.18, António Pinela
Nota-se, frequentemente, um défice de autoconfiança e de auto-estima em cada um de nós. Aliás, somos um pouco dados a subestimar as nossas capacidades empreendedoras. Por um motivo ou outro, facilmente, no tempo que corre, verifica-se o declínio destes dois motores da vida humana. Cada um de nós sabe que existe a nossa afirmação do Eu, ou Ego, independente da sua definição, que é o que menos importa, neste texto. Sabemos que algo existe e que nos motiva. Compreendemos que (...)

Filosofia da linguagem

27.11.17, António Pinela
A forma com se diz também diz 1. Há uns dias, num programa de “corte e costura”, na RTP 1, uma conceituada estilista, modista…, ou sei lá o quê, falando aos concorrentes, disse, mais ou menos, assim: é muito importante a vossa participação, “blá-blá-blá”, que quer dizer, discurso sem grande conteúdo. E a senhora remata com grande eloquência: vamos encontrar-nos por aí, porque nós (as pessoas importantes nesta área) precisamos de pessoas como vocês! Portanto, os (...)

Filosofia da vida 01

26.11.17, António Pinela
Com alguma frequência, tenho ouvido, na televisão, alguns artistas consagrados, e bem conhecidos, queixarem-se das suas magras reformas. Eles têm referido valores na ordem dos 300 e tal euros. Esta “informação” tem-me causado alguma reflexão: o que terá acontecido a estas pessoas, que depois de tantos anos de trabalho, auferem reformas tão pequenas? Estes artistas, que têm tido participações constantes e relevantes em programas de televisão: como telenovelas e outros, (...)