Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

FILOSOFIA

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela.

FILOSOFIA

A Filosofia é uma concepção do mundo e da vida, é amor pela sabedoria, é reflexão crítica e investigativa do conhecimento e do ser. António A. B. Pinela.

09.09.19

Glossário de Ciências e Educação


António Pinela

glossário ciências da educação.jpg

Este glossário é o resultado de pesquisa efectuada, no âmbito da orientação pedagógica /estágio, em várias obras de índole pedagógica e didáctica, de psicologia e sociologia, e ainda de Legislação sobre a Reforma Educativa, publicada desde os anos 80, do século passado. Este texto pretende ser, apenas, uma ajuda rápida da terminologia aplicada ao ensino.

Exemplos de algumas entradas:

A

ACÇÃO

Efectivação da capacidade de agir. No domínio pedagógico e educativo, a acção é geralmente a influência exercida por um ser sobre outro ser, nomeadamente pelo professor sobre a criança ou o aluno, com a finalidade de o fazer atingir certas metas ou de o levar a adoptar certos comportamentos ou condutas, nos planos físico, intelectual, moral, estético e social, etc. Mais particularmente, um ensino pela acção propõe-se fazer agir o aluno sobre as coisas, para lhe dar acesso ao conhecimento e à formação do espírito.

ACTIVIDADE

Faculdade de agir, capacidade de actuar. Mais especificamente: 1. Actos motivados de um indivíduo com o objectivo de produzir um resultado pela coordenação de intervenções dinâmicas, de ordem física e psíquica. 2. Trabalho proposto ao aluno com a finalidade de o fazer alcançar, a curto, médio ou a longo prazo, objectivos precisos, específicos ou gerais: aquisição de conhecimentos; formação do juízo; aprofundamento da reflexão; aperfeiçoamento manual ou intelectual; escolha de iniciativas; treino para o trabalho de grupo; desenvolvimento pessoal e do sentido social, etc.

C

CONHECIMENTO

Na linguagem corrente, designa-se por conhecimento a simples identificação de alguma coisa ou de alguém, e a evocação da informação adquirida sobre um assunto. Num sentido mais preciso, reserva-se a palavra conhecimento para a compreensão exacta e completa dos objectos, por meio do conhecimento científico. Este é o saber seguro acerca de determinada situação objectiva, e resulta da relação entre sujeito e objecto; nesta perspectiva, a função do sujeito consiste em apreender o objecto tornando-o presente a si próprio, enquanto a função do objecto é a de se deixar apreender, dando conteúdo ao que é apreendido pelo sujeito. A experiência de cada um mostra que há, para o homem, dois modos de conhecimento: o conhecimento sensível, que é singular e concreto, dependendo a sua apreensão dos órgãos sensoriais – é um tipo de conhecimento imediato; e o conhecimento intelectual, que é universal e abstracto, dependendo unicamente da razão – é um tipo de conhecimento mediato.

E

ÉDIPO

Herói da mitologia grega, filho de Laio, rei de Tebas, e de Jocasta. Segundo o oráculo, Édipo havia de matar o pai e casar com a mãe. Fugiu, por isso, da sua pátria, para que tal profecia se não cumprisse, mas em vão. Sófocles tratou o tema em duas tragédias imortais: Édipo-Rei e Édipo-Colono. Complexo de Édipo: nome dado por Freud ao suposto apego da criança ao progenitor do sexo oposto, recalcado pelo conflito ambivalente com o genitor do mesmo sexo, simultaneamente amado, odiado e temido.

EDUCAÇÃO

Conhecimento e prática dos hábitos sociais; boas maneiras. Sentido lato: processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício. Por exemplo: «educação dos sentidos». Sentido pedagógico: Conjunto dos processos pelos quais são metodicamente desenvolvidas as faculdades da criança, do adolescente, do jovem e do adulto.

I

INTERDISCIPLINARIDADE

Interacção existente entre duas ou várias disciplinas; esta interacção pode ir da simples comunicação das ideias até à integração mútua dos conceitos directores, da epistemologia, da terminologia, da metodologia, dos dados e da organização da pesquisa e do ensino que a eles se ligam. Esta interacção estabelece uma relação entre várias disciplinas que leva ao seu enriquecimento recíproco e logo a uma transformação de seu quadro de investigação e de acção. O estímulo para a interdisciplinaridade é sempre um problema de explicação; a interdisciplinaridade nasce da exigência de individualizar estruturas mais profundas referentes aos fenómenos estudados por cada disciplina, que sejam capazes de explicá-los com maior coerência e consideração [cf. multi-, pluri- e transdisciplinaridade].

V

VERIFICAÇÃO
Controlo da verdade de uma teoria, de uma afirmação. A verificação é o terceiro momento do método experimental, segundo J. Stuart Mill, o primeiro é a observação, o segundo a "indução", ou formulação da hipótese. A verificação consiste em considerar todos os casos possíveis de hipóteses explicativas que se tenham formulado: é o momento da «experimentação», cuja finalidade é definir as relações necessárias e constantes entre os fenómenos, a partir das quais se estabelece a lei científica.